Dicas, Ronaldo Academy Brasília, Ronaldo Academy Mundial

Maior goleador da história do Santos depois de Pelé, o ex-ponta-esquerda Pepe jogou futebol profissional por apenas 15 anos. Como treinador, sua carreira foi bem mais longa: quase quatro décadas. Mesmo assim, ao dormir e sonhar, Pepe se vê sempre em campo como jogador, jamais como técnico.Ronaldo Nazário, o “Fenômeno”, tem muito mais opções para oferecer a seu subconsciente: pode muito bem reviver uma de suas arrancadas geniais em zigue-zague no pitch, relembrar uma reunião de trabalho por videoconferência ou se enxergar na primeira classe de um avião rumo à Macau ou ao Caribe para disputar um novo torneio internacional de pôquer.

No campo, Ronaldo foi o que os técnicos chamam de jogador diferenciado. Fora dele, é singular, único. Ao gerenciar sua carreira e sua imagem com destreza, fez uma transição das “quatro linhas” para a vida empresarial bem-sucedida, raríssima no Brasil. E na hora de ampliar seus negócios, vem mostrando uma fome digna da Copa de 2002, quando foi o artilheiro do Mundial e ajudou o Brasil a trazer o penta. Tendo como parceiros o empresário capixaba Marcus Buaiz e o grupo de comunicação multinacional WPP, é dono da agência 9ine, que gerencia contratos publicitários de jogadores como Neymar e de artistas como Cláudia Leitte, Paolla Oliveira e Alexandre Nero; com Buaiz e Carlos Wizard Martins, dono da Mundo Verde e agora das marcas esportivas Topper e Rainha, Ronaldo também é ponta de lança da Ronaldo Academy, franquia de escolas de futebol que pretende implantar em escala mundial (veja boxe); “R9” ainda é acionista do Fort Lauderdale Strikers, time de futebol de uma das ligas de “soccer” dos Estados Unidos e, finalmente, ao lado de Buaiz e de Luis Bellintani, é agora também um dos proprietários da Liv, marca de sucos, chás e outras bebidas funcionais.

Há outros negócios, além de imóveis, ações e fundos, todos gerenciados por uma equipe dedicada. Mas o que ele ainda tem de mais valioso é sua imagem. Nike (contrato já estimado em R$ 1 milhão por mês, que se renova automaticamente, desde que não se envolva em casos muito rumorosos), a farmacêutica Neo Química (estimativa: R$ 8 milhões/ano) e Ambev são seus sponsors. Além disso, é patrocinado pela PokerStars, maior empresa de pôquer on-line do planeta, que, em 2014, depois de enfrentar problemas criminais nos Estados Unidos, foi vendida a um grupo canadense por US$ 4,9 bilhões. Por contrato, é obrigado a participar de torneios de pôquer mundo afora, algo que ele está longe de achar um fardo (veja boxe). Em um torneio mundial nas Bahamas, em 2015, foi o 26º colocado, marca bastante expressiva. “Minha imagem ainda é meu maior produto, o mais rentável”, disse Ronaldo a PODER em entrevista na antiga sede da 9ine, no Alto de Pinheiros, em São Paulo. “Mas nada se compara a fazer gol. Trabalho muito mais agora e ganho bem menos do que antes.”

A comparação é assimétrica e injusta. Faturar mais como ex-jogador do que como jogador é fácil para cabeças de bagre, como foi, por exemplo, o pai de Neymar. Mas Ronaldo, ao contrário, se consagrou como um dos melhores do mundo e envergou as camisas dos times certos (Barcelona, Real Madrid, Inter de Milão, Milan) na hora certa – os anos 1990 e 2000, época em que o futebol se tornou um dos maiores business de entretenimento do planeta. Com isso, pode ter acumulado R$ 1 bilhão em sua carreira, segundo estimativa da revista Forbes. Especialista em marketing esportivo, o jornalista Erich Beting vê Ronaldo à sombra apenas de David Beckham, para ele o mais bem-sucedido exemplo de utilização da própria imagem no futebol. Mas nota que, enquanto o inglês tratou de tomar as decisões mais corretas possíveis ao longo da carreira, jogando em lugares-chave como Milão, Madri, Los Angeles e Paris, Ronaldo partiu cedo para a vida empresarial. “Sua veia empreendedora é impressionante, ele tem esse barato”, diz. “Mas talvez falte um planejamento estratégico melhor, saber o que priorizar. Às vezes, acho que ele entra em negócios furados. Nem tudo vai dar certo”, completa Beting.

Em sentido horário: Ronaldo e o senador Aécio neves (PSDB-MG), a quem apoiou na campanha presidencial de 2014 e voltará a apoiar caso o político saia de novo candidato a presidente; com o senador e ex-jogador Romário (PSB-RJ) com quem trocou farpas quando esteve à frente do COL na Copa do Brasil; e com Galvão Bueno, parceiro na cobertura do Mundial da Globo  ||  Créditos:  Créditos: Renato Miranda/TV Globo/Divlgação/Revista PODER
Em sentido horário: Ronaldo e o senador Aécio neves (PSDB-MG), a quem apoiou na campanha presidencial de 2014 e voltará a apoiar caso o político saia de novo candidato a presidente; com o senador e ex-jogador Romário (PSB-RJ) com quem trocou farpas quando esteve à frente do COL na Copa do Brasil; e com Galvão Bueno, parceiro na cobertura do Mundial da Globo || Créditos: Créditos: Renato Miranda/TV Globo/Divlgação/Revista PODER

Sinergia e Disrupção

Sinergia é uma palavra bastante usada no ambiente corporativo, talvez só menos empregada hoje do que “disrupção”. Ronaldo fala que há “muita sinergia” entre seu grupo de empresas. De fato, o Fort Lauderdale Strikers pode servir para a divulgação da Ronaldo Academy, e nas franquias da escola de futebol podem vir a ser vendidos sucos, chás e água de coco Liv. Já a Spark Inc., agência de mídia de influência do conglomerado, tem os artistas que a 9ine representa à mão para, com suas redes sociais próprias, promover cervejas, pilhas, celulares e o diabo. Da mesma forma, patrocinadores históricos de Ronaldo como a Ambev se envolvem em projetos do ex-jogador, como a Fundação Fenômenos, ONG que tem por missão identificar e premiar lideranças em comunidades carentes espalhadas em todo o território nacional.

Ronaldo vem entrando em muitos outros barcos, e alguns petardos que recebe têm origem aí. “Ter sido pedra e vidraça não foi bom negócio para ele”, lembra Erich Beting, fazendo menção a 2014, ano da Copa no Brasil, quando Ronaldo atuou como executivo do Comitê Organizador Local (COL) e comentarista de futebol na TV Globo. Mas ficaria o ex-atacante embaraçado por ter de criticar as atuações de Neymar, seu contratado na 9ine, ou para reconhecer os problemas de organização da Copa na TV? “Nenhum embaraço. Não pouparia Neymar se ele tivesse desvios. Comento o que vejo, a jogada, não o que é feito fora do campo.”

Ronaldo Fenômeno
Ronaldo é capa da edição de 8 anos da revista PODER || Créditos: Roberto Setton/Revista PODER

Craque Teflon

A história de Ronaldo no futebol é identificada com o conceito de superação, tão valorizado pelas marcas esportivas. Seus dois joelhos sofreram com o rompimento do tendão patelar, ocorrência remota nesse esporte e que tem o condão de abreviar a carreira de qualquer jogador. Na primeira lesão, ficou 16 meses longe dos campos; na volta, consagrou-se com o pentacampeonato pela seleção e os oito gols que marcou na Copa de 2002. Da segunda vez, em 2008, foram mais 13 meses parado; quando voltou, outro retorno bombástico, dessa vez para o Corinthians, levando o alvinegro a um novo patamar, inclusive financeiro. Com Ronaldo, vieram patrocinadores como a Hypermarcas e sua linha Bozzano.

É por isso, talvez, que a vida amorosa conturbada, o famoso passeio na Barra da Tijuca, a companhia de figuras como Ricardo Teixeira não se tornem handicaps incontornáveis com os quais ele tem de lidar depois: a lenda da fênix fala mais alto. “A imagem do Ronaldo é tão forte, tem repertório de méritos tão grande que seus problemas são neutralizados”, diz o publicitário Washington Olivetto, da WMccann, que vê nele o primeiro jogador com status de artista pop da história. Já para o jornalista Sérgio Xavier, que comenta futebol para a SporTV e BandNews, Ronaldo é o “craque teflon”. “Nada gruda nele. Separações confusas, travecos, a mistura de interesses de suas empresas, que me parece promíscua. Ele sempre cria outros fatos”, diz. Para Xavier, Ronaldo é “desgraçadamente humano”. “Faz bobagem, engorda, se mete em rolos, mas sai sozinho disso. Conta pontos.” No quesito imagem à prova de arranhões, Ronaldo é como Pelé, que nunca perde a majestade, ou FHC, que também se mantém firme, apesar dos pesares. Se sai sozinho dos wild sides em que anda, na vida empresarial Ronaldo vai sempre junto com Marcus Buaiz, herdeiro de um clã empresarial do Espírito Santo e marido da cantora Wanessa Camargo. “Ele tem sido um grande parceiro, ajuda muito no planejamento. Não vamos parar por aqui”, diz Ronaldo sobre o sócio. Num sotaque que parece esmigalhar a sílaba tônica de algumas palavras, Buaiz devolve com juros: “É uma dádiva poder ouvir alguém que viveu o que ele viveu. Fazemos uma sociedade complementar”.

A 9ine sofreu reveses nos ultimos tempos. As saídas do jogador de vôlei Bruninho e do skatista Pedro Barros antecederam o fim da parceria com Anderson Silva, o mais famoso lutador de UFC brasileiro, com quem a agência esteve desde o início. Menos, é verdade, por vontade do “Spider”, como Silva é conhecido, e mais pelo jogo duro da Reebok, patrocinadora do UFC. “Criou-se um sistema em que o atleta não é mais dono dele mesmo. Antes havia o direito de vender o short, o backdrop, hoje não temos mais como oferecer nada aos investidores desse esporte”, justificou Ronaldo. Mas as turbulências também atingiram a seara artística, com baixas como a dos cantores Naldo Benny e Paula Fernandes.

Se os retornos gloriosos de Ronaldo pudessem ser aplicados por analogia à história da 9ine, não se pode esperar menos do que bonança pela frente. Para Buaiz, 2016 será o “ano da consolidação”. De qualquer forma, com tantas outras frentes de negócios, se a dupla perder uma ou outra gema da 9ine, o mundo tende a não cair. E se cair, a torcida já sabe que a virada vem no próximo jogo.

Em sentido horário: com o capitão do Tetra, Cafu, em campanha pela moralização do futebol nbancada pela Ambev, patrocinadora também de Ronaldo; em comerciais da Neo Química e da Nike, que também são patrocinadores; com a camisa do Fort Lauderdale Strikes, time norte-americano do queal é sócio, e os produtos da Liv, que fazem parte do portfólio de empresas de Ronaldo || Créditos: Reprodução/Revista PODER
Em sentido horário: com o capitão do Tetra, Cafu, em campanha pela moralização do futebol nbancada pela Ambev, patrocinadora também de Ronaldo; em comerciais da Neo Química e da Nike, que também são patrocinadores; com a camisa do Fort Lauderdale Strikes, time norte-americano do queal é sócio, e os produtos da Liv, que fazem parte do portfólio de empresas de Ronaldo || Créditos: Reprodução/Revista PODER

Escolinha do Professor Ronaldo

Em 2013, Ronaldo viveu em Londres, estagiando na sede do conglomerado de comunicação global WPP, seu principal sócio na 9ine. Seu “parça” ali era o próprio CEO Martin Sorrell, que, aliás,  tem título de Sir. É natural, portanto, que ele tenha carinho por seu dia a dia na 9ine, mas, neste momento, o negócio mais empolgante para o jogador parece ser a expansão da Ronaldo Academy, sua escolinha de futebol. Já são 58 franquias vendidas (22 no Brasil, 31 na China e 5 nos EUA), mas operam hoje apenas dez no Brasil e oito na China. Buaiz, sócio na empreitada junto com Carlos Wizard, revela-se otimista quanto ao rumo dos negócios. No lançamento, em abril do ano passado, a ideia era ter 100 escolas em cinco anos. A meta hoje parece modesta, e há conversas avançadas para entrar em países como Paraguai, Bolívia, Arábia Saudita e Emirados Árabes. Para  ter uma Ronaldo Academy, o franqueado precisa investir cerca de  R$ 400 mil e  ter um terreno de no mínimo mil m2.

O QG de Campinas da Ronaldo Academy, escola de futebol que tem como sócios Ronaldo e Carlos Wizard. Já foram vendidas franquias não só para o Brasil, mas também para China e Estados Unidos  ||  Créditos: Renato Miranda/TV Globo/Divlgação/Revista PODER
O QG de Campinas da Ronaldo Academy, escola de futebol que tem como sócios Ronaldo e Carlos Wizard. Já foram vendidas franquias não só para o Brasil, mas também para China e Estados Unidos || Créditos: Renato Miranda/TV Globo/Divlgação/Revista PODER

Poker Face

Viajar pelo mundo para jogar pôquer é uma exigência contratual da PokerStars, mas Ronaldo acha isso bom. Além de gostar do jogo, ele aproveita os giros para apresentar a Ronaldo Academy para possíveis clientes. Diz que uma ida para um torneio em Macau, ano passado, foi oportuna. Aproveitou a “carona” para acertar negócios com seus primeiros franqueados na China. Na mesa de pôquer, Ronaldo diz que consegue ser “frio” como nos tempos de atacante, ainda que o batimento cardíaco vá às alturas quando a mão está boa. “Mas consigo disfarçar bem”, diz. O ex-jogador não é o único Ronaldo no elenco da PokerStars: o português Cristiano Ronaldo é outro garoto-propaganda da empresa. Já o sueco Zlatan Ibrahimovic, craque do Paris Saint-Germain, disse não a uma proposta estimada em 4 milhões de euros anuais da marca. Ele alegou não gostar desse esporte da “mente”.

Em sentido horário: com o capitão do Tetra, Cafu, em campanha pela moralização do futebol nbancada pela Ambev, patrocinadora também de Ronaldo; em comerciais da Neo Química e da Nike, que também são patrocinadores; com a camisa do Fort Lauderdale Strikes, time norte-americano do queal é sócio, e os produtos da Liv, que fazem parte do portfólio de empresas de Ronaldo
Ronaldo || Créditos: Reprodução/Revista PODER
Share

Leave a Reply